terça-feira, 28 de maio de 2013

Luiz Marenco entra na briga contra as regras do MTG




MTG rebate críticas ao Blog Repórter Farroupilha do Giovani Grizotti
A pedido do Repórter Farroupilha, o presidente do MTG, Erival Bertolini, preparou uma nota sobre as declarações do cantor. No final, diz que o movimento serviu para muitos “iniciar-se profissionalmente neste berço” e que depois de se consagrar, “passam a criticar o berço que os criou”. Leia:
Não vou comentar as críticas do Sr. Marenco, que faz sobre as regras do MTG. Um cantor consagrado que, embora suas críticas, as vezes que o vi, estava bem pilchado.
Com relação a nossa indumentária, são todas as regras baseadas em pesquisas e amplamente discutidas e aprovadas em nossas convenções ordinárias que acontece todos os anos no mês de julho, sendo aberto a todos os tradicionalistas para discutir, concordar ou discordar. Aquilo que é aprovado passa para as diretrizes de indumentária e os que participam de eventos competitivos devem estar de acordo, pois competição tem regras e estas devem ser cumpridas.
Com relação ao tiro de laço, que o movimento pratica nos rodeios para preservar uma cultura que faz parte da nossa
Bertolini, presidente do MTG.
historia, que esta no sangue do gaúcho oriundo do campo e até do citadino de hoje, também é competitivo além de cultural. E para tanta competição há regras, que vem através das pesquisas e da tradição de pai para filho. Não é de graça que a armada para peão (adulto) tem 8 metros e quatro rodilhas, na campereada, nas lidas de campo, o peão é livre e pratica do seu jeito como achar melhor.
O gaúcho tradicionalista ficou conhecido no Brasil inteiro e no mundo, pela nossa historia, pela nossa cultura, mas também pela nossa estampa, pela silhueta que molduram os livros e os quadros culturais quando se quer representar um gaucho. As regras de indumentária estão na lei 8.813 de 10 de janeiro de 1989, de autoria do deputado Algir Lorenzon, que no seu artigo primeiro, arágrafo único, diz: “será considerada “pilcha gaúcha” somente aquela que, com autenticidade, reproduza com elegância, a sobriedade da nossa indumentária histórica, conforme os ditames e as diretrizes traçadas pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho.
Este movimento com suas regras seus erros e seus acertos, hoje está servindo de modelo de preservação dos usos e costumes da família e dos valores da nossa terra, e, ainda mais, servindo para muitos iniciar-se profissionalmente neste berço, depois de se consagrar passam a criticar o berço que os criou.
Na minha humildade vou iniciar meus netos o que iniciei aos meus filhos, que aprendi com meus pais e meus avôs, a respeitar a tradição deste povo, como disse Edson Dutra: “nem que passe mil anos não vamos afrouxar o garrão”, o modismo não altera nossa linda tradição.
Erival Bertolini/ Presidente do MTG

sábado, 25 de maio de 2013

CD Força Coração - Uma esperança na Poesia!




Já era esperado e estamos muito felizes com o resultado do CD FORÇA CORAÇÃO. 
A qualidade dos poemas, a qualidade das declamações e a qualidade dos áudios tirados pelos estúdios e depois a mixagem do nosso amigo Juliano Moreno do Estúdio Fronteira Record's, só poderia dar no que deu, um CD de altíssima qualidade. 
Não nos cansamos de agradecer a gravadora Vertical, nas pessoas do Jean Moreira e o Eduardo, que diariamente nos põem a par de todos os acontecimentos, sempre na preocupação de que tudo saia da melhor maneira possível. 
Mas isso é só o inicio e ainda precisamos muito de todos vocês, para estarem conosco dia 21 de Junho de 2013, às 20 hs. no Theatro Treze de Maio, num RECITAL de encher o coração, de lavar a alma e de ver que a Poesia é parte da nossa vida, de nosso amor, de nosso sentimento. 
Nesse Recital temos a parceria da Secretaria de Cultura de Santa Maria, na pessoa da Secretária Iara Druzian e sua competente equipe, além do Theatro Treze de Maio, que sempre nos dá a certeza de um espetáculo inesquecível, não só pela grandeza desse teatro, mas pela preocupação de seus profissionais.
Mas queremos mais, queremos que vocês no ajudem na divulgação desse CD, pois queremos fazer dele um marco na Poesia do Rio Grande do Sul, e unir Poetas, declamadores, amadrinhadores, enfim todos num mesmo objetivo que é o amor pela arte, pela poesia e por esta Pátria que tanto amamos.
Queremos dizer aqui, mais uma vez, que contamos com todos, embora tenhamos, com nossos corações partidos, deixados de fora do CD, Poetas, declamadores, amadrinhadores, amigos que tanto prezamos, mas que por circunstância de tempo, não podemos tê-los nesse CD e portanto nesse Recital. 
Pedimos aqui, desculpas a todos que não estão no CD, mas gostaríamos de contar com todos em Recitais e futuros eventos que possamos fazer, pois todos, sabemos nos, que estão torcendo para a poesia e para a grandeza da arte poética.
Estamos todos juntos e todos serão nossos convidados especiais para estarem conosco nessa noite memorável de 21 de Junho de 2013 - Santa Maria renascerá com a poesia, essa é a nossa esperança!


Fabricio Vargas, Moisés Menezes e Paulo Ricardo Costa
Promotores do Evento

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Xiruzinho não será exceção

Xiruzinho, agora "João Darlan"
Texto postado no Blog do irmão Léo Ribeiro, comungando de um sentimento de pesar pela perda de mais um dos autênticos intérpretes deste torrão Sul-brasileiro, para a música Sertaneja. A postagem original você confere aqui: "JOÃO DARLAN OU XIRUZINHO?" 

Por: Fabrício Vargas 

      Caro amigo Léo Ribeiro, como leitor assíduo do Blog, tomei a liberdade de dar a minha opinião sobre a matéria que hoje tu postaste. Como admirador da arte gaúcha e da mais fina interpretação que identifica este povo como sendo diferente do resto do pais, me entristeço juntamente contigo e outros tantos sobre o fato de “Xiruzinho” se tornar “João Darlan”, mesmo que este seja seu nome de batismo. 
       No cenário em que se encontra a musicalidade do nosso Sul, vejo que isto não será um fato isolado e nunca foi. A pouco tempo atrás, Leonardo Paim, hoje “Léo Paim”, intérprete que despontava como um dos grandes dos festivais do Rio Grande e que até teve duas obras registradas em CD e que até hoje é muito bem tocada aqui pela região do centro do estado, desabafou em uma conversa pela qual eu o entrevistei pela Rádio Nativa FM “Se eu cantasse só por amor eu cantaria pra sempre a música nativa, mas preciso me sustentar”. No mesmo tom de Xiruzinho, mas com bem menos bagagem artística tomou essa decisão de cantar o tal “Sertanejo universitário” e agora não tem mais lugar na agenda e isso não só nos finais de semana, mas sim quase todos os dias e não somente em Santa Maria e região. 
       Este é só mais um caso, mas não para por ai e veremos outros mais logo em seguida. A dupla de irmãos, os amigos Arisson e Emerson Martins, ainda não saíram de todo nativismo, mas ensaiaram uma boa “performance” como dupla deste ritmo que hoje anda embalando o Brasil inteiro. Até CD já foi produzido e fizeram muitos shows no Brasil inteiro depois do sucesso do “Eu e o João de Barro”, música deles com o amigo Paulo Ricardo Costa que venceu a Viola de todos os cantos em 2010. Hoje eles fazem muito mais show de sertanejo do que cantam em festival. Por que? Precisam se manter pela música e não tiro nunca as razões de cada profissional que faz isso, pelo contrário apoio mesmo que triste, assim como você.
        Estes nãos serão os únicos casos e se pararmos para lembrar, encontraremos muitos outros. Pois a música do Rio Grande em si, tem espaço sim, mas para os grandes ou para aqueles que podem investir um pouco mais no seu talento. E nós, gaúchos, temos talento de sobra e arrisco a dizer, depois de São Paulo e acho que Rio de Janeiro, o Rio Grande do Sul é o estado que mais faz música neste país, pois é só analisar a quantia de músicas que são enviadas a cada festival e as sacolas de obras que ainda estão guardadas por aí, mas esta é outra história. 
        Vamos parar dois minutos e imaginar como viveriam hoje se fossem só poetas e cantores, Aparício Silva Rillo, Jayme Caetano Braun, Cenair Maicá, César Passarinho (ainda apostava nele) e Noel Guarani, por exemplo? 
    Enquanto não mudar a mentalidade do povo gaúcho como um todo e os profissionais não começarem a valorizar o trabalho de maneira séria e verdadeira. Seremos eternamente “mendigadores” de nossa arte. Esqueçamos um pouco, de só pensar em passar música na triagem pra ganhar alguns pilas de ajuda de custo. 
        Me alonguei um pouco amigo Léo, mas creio que o nosso Rio Grande precisa mudar para que não percamos mais talentos admiráveis como Xiruzinho e outros tantos que mesmo de guaiaca quase vazia teimam em manter viva a cultura regional. 
         Fraterno Abraço, 
         Fabricio Vargas

terça-feira, 14 de maio de 2013

Recital Força Coração


Dia 21 de Junho de 2013 o Theatro Treze de Maio ficará pequeno para a grande constelação da poesia e da arte declamatória que desfilará pelo palco sagrado desse teatro. O Recital Força Coração foi uma forma que poetas, declamadores, amadrinhadores e alguns abnegados da poesia encontraram de dar uma nova forma de ver a vida e de fazer a nossa Santa Maria voltar a sorrir.
Esse projeto em parceria com a GRAVADORA VERTICAL que tem o apoio do Galpão da Poesia Crioula de Santa Maria, Casa do Poeta de São Pedro do Sul, Secretaria de Cultura de Santa Maria, blog do Léo Ribeiro, Blog dos Festivais, site de tudo na net, blog Bhastidores, blog do galpão da Poesia Crioula, blog do Jairo Reis, Rádio Sentinela Pampeana, Rádio Nativa FM de Santa Maria, Rádio Santamariense, Programa Norton César, Rádio Web Fronteira, Rádio Rural 1120 AM de Porto Alegre e o Theatro Treze de Maio de Santa Maria.


Alguns comentários de Parceiros, de amigos e de irmãos de arte, que engrandecem esse projeto.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Músicos e compositores fundarão Sindicato


Da esquerda p/ direita: Renato Mirahil, Derlimar da Costa, Alex Palma, João Chagas Leite, Sergio Rosa, Daiane Diniz, Saulo,  Cristiano Rodrigues, Fabricio Vargas, Cesar Lindemeier, Jairo Lambari, Elias Resende; Em Cima: Rodrigo Cunha, Ithi, Guto Gonzales, 


Na noite desta terça-feira, dia 07 de maio, músicos, compositores e intérpretes de vários estilos musicais, se reuniram na sede do CPF Piá do Sul em Santa Maria - RS. O objetivo do encontro foi para discutir vários fatores que envolvem a classe musical e, por consenso geral, foi decido entre os participantes, a criação de um SINDICATO DOS MÚSICOS, COMPOSITORES E INTÉRPRETES e paralelamente, uma ASSOCIAÇÃO da categoria com o objetivo de profissionalizar, organizar e assim, buscar os direitos legais e o respeito junto à sociedade. 

Segundo o compositor Luiz Carlos Ranoff (Ithi), somente de forma organizada e com representatividade é possível conquistar os direitos que essa classe esquecida merece: 

- Trabalhadores iguais a todos, somos agentes da cultura e nosso trabalho, a música, está em todos os lares e festas alegrando as pessoas, pois se há uma música no ar, é porque há um músico a executá-la, as pessoas não vivem sem musica. 

Quem desejar participar desta iniciativa pode entrar em contato por e-mail: ithiranoff@hotmail.com solicitando maiores informações sobre novas assembleias.

"VIVA A MÚSICA E AQUELES QUE FAZEM DELA SUA FORMA DE VIVER!"